Monday, June 29, 2015

Internet Test Reveals Americans Are Not Getting the Speeds They Paid For


For too long Internet users had to take it on faith that our Internet access providers were making good on their promises to give us what we pay for.

But even those who pay a premium for top speeds have found that certain sites and services sputter out at the pace of dial-up. And calling your ISP's customer-service department to find out what's going on can be a torturous exercise -- requiring you to endure an endless loop of hold music as you pray for a sentient being to pick up the line. 
The good news: Since its launch, more than 300,000 Internet users have run the Internet Health Test, resulting in over 2.5 million data points.

Now here's the bad: The evidence collected points to slowdowns for users on the networks of five of the largest Internet access providers -- AT&T, CenturyLink, Comcast, Time Warner Cable and Verizon -- which represent 75 percent of all U.S. wireline households. 

And the ugly: Since the test results were made public a number of paid cable industry operatives have tried to tear down these findings, suggesting without actually looking at the data that they are faulty and somehow corrupted. 

In truth, big phone and cable companies are terrified that so many people are performing the speed tests and compiling data on what ails the Internet. The service slowdown isn't a problem just for Internet users hoping to get their money's worth. It's also a potential violation of the hard-won Net Neutrality rules that went into effect on June 12. The Federal Communications Commission now has a number of enforcement tools on hand to go after phone and cable companies that don't live up to promises when it comes to Internet speed, quality and reliability. 

Often the degradation occurs at interconnection points -- the Internet nodes where traffic an ISP customer requests crosses between the ISP's network and a network on which content and application providers host their services.

The Internet Health Test uses Measurement Lab (M-Lab) infrastructure and code to run speed measurements from your ISP across multiple points to detect and compare performance.

Sifting through the mountain of data, Collin Anderson of M-Lab reports that "Patterns of degraded performance occurred across the United States, impacting customers of various access ISPs when connecting to measurement points hosted within a number of transit ISPs in Atlanta, Chicago, Los Angeles, New York, Seattle and Washington, D.C."

According to the data, AT&T users, and especially users in Atlanta, Chicago and Los Angeles, experienced consistent patterns of degradation across interconnection services, most notably on GTT Communications. GTT is the world's fifth largest interconnection service, according to Dyn Research. The sixth largest service, Tata, also experienced significant slowdowns.

"In Chicago and Atlanta," Anderson writes, "this degradation was at its most extreme, with peak-hour performance frequently less than 0.1 Mbps. Other access ISPs such as Comcast did not display as substantial degradation to those same sites during the same period."

The FCC is on the cusp of approving AT&T's multibillion-dollar merger with DirecTV. A central issue deal opponents raise is that the merger would give AT&T a greater incentive to control how data-rich services like Netflix reach their users. AT&T has resisted any conditions that would prevent it from slowing similar services at key interconnection points. 

According to Internet Health Test data, AT&T often sticks customers with speeds that are slower than the FCC's bare-minimum definition for Internet access, and many times more sluggish than what it advertises. Last week the FCC levied a $100 million fine against AT&T for misleading customers about its unlimited mobile-data plans. The fine is the largest the agency has ever imposed.

The problem with AT&T service is just one slice taken from the trove of evidence the Internet Health Test has yielded. To learn more, more people need to take the test.

This is one of your best chances to hold your ISP accountable. The information the test collects is critical to protecting your online rights. The data provide more evidence to justify Net Neutrality protections -- and ensure that Internet users get the open and fast Internet that they deserve and are paying for.


In a Few Years, the Doctor May Prescribe You a Google Wristband to Call Him in the Morning

Health Data


Google revealed to Bloomberg NewsTuesday that its X division is developing an experimental wrist band with sensors that "can measure pulse, heart rhythm and skin temperature, and also environmental information like light exposure and noise levels."
Andy Conrad, the head of the life sciences team at Google, told Bloomberg that the band is intended to be used as a medical device by patients and in clinical trials. If it moves beyond this experimental phase, what ever they eventually call this health band will be a major step beyond the current selection of Android devices into something new.
As soon as I read this news, I thought that this is the big opportunity that Apple left on the table with its Watch when it chose not to launch with additional health monitoring sensors. Their apparent reasoning: The Apple Watch would not be a medical device, which means it wouldn't need the approval of the Food and Drug Administration.
Future Apple Watches may be able to collect health data, perhaps just by updating the software to activate additional functions in the current heart rate sensor that couldmeasure blood oxygen levels.
While the chess pieces are still being placed around the board, Apple and Google are moving towards enabling more health data collection through wearable computers. Eventually, making the Apple Watch into a medical device capable of monitoring health data may well be an economic opportunity that's too big for the biggest technology company in the world to ignore.
Apple has already positioned ResearchKit as platform for participation in studies for iPhone users. Smarter Watches could follow. If so, fitness tracker Fitbit may think differently about Apple as a competitor.
In the meantime, Google appears to have a prototype that they're going to test in trials later this year. The company is looking for a manufacturing partner to create it.
It's likely to be years before Google "healthbands" are prescribed to patients or distributed in trials, but I wouldn't be surprised to see them on the wrists of early adopters in the tech industry in California sooner, along with more capable Apple Watches in hospitals around the world.

Passeando pela cidade

Mova-se para pensar. É possível refletir sobre diversos temas apenas se deslocando de um lugar para outro.

Resultado de imagem para passear

Que tempos admiráveis estamos vivendo... Pelo menos em termos de tecnologia. Eu estava pedalando pela ciclovia da Rua Pedroso de Moraes em direção ao Parque Villa Lobos (SP), com fones de ouvido e o iPhone acomodado em uma bolsinha especial, acoplada ao centro do guidão de tal maneira que eu podia acompanhar meu desempenho esportivo pelo aplicativo Runtastic, ao mesmo tempo que ouvia a trilha para bicicleta  do Spotify. Moderno, eu... Foi quando tocou o celular. O sistema interrompe automaticamente a música e informa quem está chamando. No caso, a chamada também não era por telefone, e sim por outro aplicativo, o FaceTime, que permite que você não só fale com a pessoa, mas também a veja.
Quando liberei a chamada com um leve toque no próprio fone de ouvido, vi a carinha alegre da Melissa, minha filha que mora em Londres. Ela é uma pessoinha muito alegre, sorridente, mas eu, que a conheço desde seu primeiro dia neste planeta, sei decifrar a qualidade dos sorrisos, e aquele era especial, ela deveria ter algo muito bom para compartilhar comigo. E tinha. Quatro horas à minha frente, ela estava visitando o Tate Modern, o museu de arte moderna encravado às margens do Tâmisa, lugar que um dia foi uma central elétrica de Londres. Os ingleses adoram dar novas ocupações a prédios antigos, e fazem isso com muita eficiência e classe. Foi quando ela me disse, em inglês:  – Hi daddy, I was just wondering... Ainda que eu entendesse o que ela estava querendo dizer, a interrompi, brincando, e perguntei: – Em que sentido? Wondering, em inglês, significa algo como ponderar, especular, pensar firme sobre algo. Só que também existe a palavra wandering, que muda uma vogal, mas a pronúncia é exatamente a mesma, e significa passear, andar meio sem destino, equivalente ao francês flâner, flanar livre por aí. Ela pensou um pouco e disse: - Both! – ambos.
De fato, ela estava passeando pelo Tate, um lugar em que você vai passando de sala para sala esperando as surpresas, que sempre aparecem. Naquele momento, a Melissa estava vendo uma exposição do Piet Mondrian, o pintor holandês que deu impulso à arte abstrata no começo do século passado, e até hoje é considerado vanguardista. Invertendo a câmera de seu smartphone, ela me deu uma visão geral da exposição, e continuou: – Eu estava passeando por aqui e pensei se um curso rápido de arte moderna não iria colaborar no meu projeto, afinal, tudo se refere às formas – ela estava estudando cinema em Londres, e tentava estabelecer uma relação entre mais de uma forma de arte, o que é muito comum.
Nossa conversa progrediu e concordamos que ela faria uma imersão – não tão rápida que fosse superficial, nem tão longa que atrapalhasse seus estudos. Na verdade, ela não precisava de minha autorização para fazer mais um curso em Londres, a não ser por um motivo, o "paitrocínio"... Quando nos despedimos e desligamos nossos aparelhinhos mágicos, a música voltou automaticamente e eu já estava entrando no parque.
Foi minha vez de ficar refletindo, além de continuar passeando. Me dei conta do quanto me ponho a refletir sobre vários temas cada vez que estou andando de um lugar para outro. São Paulo é uma cidade rica em variedades. Você passa de uma avenida para uma ruela simplesmente dobrando uma esquina e parece ter mudado de cidade. A diversidade de arquiteturas e de tipos humanos encanta quem tem o olhar mais atento, quem anda com o botão da sensibilidade ligado. Como sou bastante visual, me encaixo nesse perfil. Adoro andar pela cidade observando e, muitas vezes, aprisionando uma cena em uma fotografia, às vezes compartilhada, na maioria das vezes não. 
Consultando o catálogo
Quando me mudei para cá, há uma década e meia, fui alertado por todos que o grande problema de São Paulo é o deslocamento. Tudo é longe e o trânsito é caótico. E, de lá para cá, só piorou. Uma política governamental de estimular a indústria automobilística por meio de isenções fiscais e liberação abundante de linhas de crédito fizeram com que muitos brasileiros realizassem, finalmente, o sonho de ter seu carro. Louvável. Ou melhor, seria louvável se a estrutura viária fosse contemplada na mesma proporção. Mas não foi o que aconteceu. Ruas são alargadas e viadutos são construídos, mas a entrada de novos carros ganha disparado dessas soluções urbanísticas, incluindo o investimento em transporte coletivo. Tudo isso me levou a pensar sobre alternativas.
O carro está longe de ser o único, ou o melhor, meio de transporte em uma grande cidade. Para ficar no caso de Londres, não é incomum que os amigos ingleses da Melissa nem saibam dirigir. Lá, definitivamente, o automóvel é supérfluo. Claro, com a qualidade do metrô e dos famosos ônibus londrinos de dois andares, irritantemente pontuais, não tem lógica enfrentar o trânsito. Mas São Paulo não é Londres. Era preciso encontrar alternativas para andar pela pauliceia sem limitar o raio de ação nem enlouquecer de vez. Foi quando resolvi simplesmente abrir o leque. Considerar todas as opções. Simples assim. Por exemplo, por que não voltar simplesmente a caminhar? Tratei de recuperar esse hábito que, além de prático, é saudável. Tem até nome simpático: pedestrianismo.
A prática de caminhar, em qualquer situação. O pedestrianismo mescla a caminhada com meios de transporte de acordo com cada situação. Resolvi ser um usuário do táxi, que é bom e abundante em São Paulo (e agora com esses apps...). Quando ando de táxi levo várias vantagens. Vou mais rápido, pois, desde que com passageiro, o táxi está liberado para andar nas faixas de ônibus em determinados horários. Além disso, os motoristas, profissionais que são, conhecem caminhos alternativos (muitos já estão usando o tal Waze, que orienta as melhores opções), eu fico liberado para fazer outra coisa, como ler ou falar ao celular. E, além disso, quando ando de táxi tiro um carro da rua: o meu. O dele já estaria de qualquer maneira.
Ecológica colaboração. Mas o táxi, que é um transporte público, ainda que não coletivo, não é a única opção. Nosso metrô é ótimo, apesar de ter abrangência pequena para o tamanho da cidade. Os ônibus não chegam a ser londrinos, mas têm itinerários crescentes e têm sido pontuais. Você pode consultar o Moovit em seu celular para se orientar. E, claro, minha última paixão: a magrela.
Urbenautas
Ando pela cidade do jeito que é melhor em cada situação. Fui ver a abertura da Copa de metrô (e o encerramento também, no Rio), vou de Pinheiros a Higienópolis de ônibus. Ando pelo bairro a pé. Vou comprar pão de bicicleta. Estou ansioso com a linha 17 do metrô, que vai me levar – por cima das avenidas, e não por baixo – até Congonhas. E, quando é melhor, uso meu carro, sem culpa. Quando viajamos para outra cidade, estudamos o melhor meio de transporte e, na viagem, tratamos de buscar aprendizados e prazeres. Pode parecer estranho, mas, quando andamos pela cidade, também viajamos. Somos todos urbenautas, viajantes urbanos.
O termo foi criado por um garoto chamado Eduardo em Curitiba quando, nos anos 90, resolveu explorar a cidade. Conheceu 8 mil ruas e dormia na casa das pessoas. Soube que está para repetir a experiência para ver o que mudou nesses anos todos. As cidades são vivas, nascem, crescem, pulsam, sofrem, se alegram. Mas as cidades somos, acima de tudo, nós, os cidadãos. Andar por minha cidade, não importa por que meio, me permite vivê-la de verdade, criar vínculos. Quando ando por aí, trato de imaginar como a cidade poderia ser melhor, mais bonita e mais humana. E também o que posso fazer por ela, que é minha mãe e minha filha.
EUGENIO MUSSAK

Do ponto G ao orgasmo múltiplo: ciência tenta desvendar segredos do prazer feminino


O escritor americano J. D. Salinger afirmou, certa vez, que "o corpo de uma mulher é como um violino: é preciso um músico fantástico para tocá-lo direito".
Acariciada da maneira correta, uma mulher pode ser transportada a um êxtase tão incrível que, por alguns segundos, o resto do mundo deixa de existir. Mas basta um errinho para que a dor, a frustração ou uma sensação de vazio tomem conta.
É uma experiência altamente contrastante com aquela vivida pelo homem. Desde que ele consiga uma ereção, alguns minutos de estimulação vigorosa geralmente resultam na ejaculação.
Por que o orgasmo é tão prazeroso? Como as mulheres sentem o orgasmo múltiplo? E o famoso ponto G existe mesmo? Esses são alguns dos mais antigos mistérios da medicina.
"Conseguimos ir até a Lua, mas não sabemos o suficiente sobre nossos próprios corpos", afirma o professor de sexologia Emmanuele Jannini, da Universidade de Roma Tor Vergata e um dos cientistas que dedicam sua carreira a tentar explicar esses mistérios.
Nos últimos anos, a comunidade científica vem acompanhando uma enxurrada de estudos feitos por esses "mestres" do sexo, e finalmente as respostas estão surgindo.

Transando em nome da Ciência

null
Região cerebral que processa prazer pode ser ativada por drogas e certos alimentos
Talvez a maior habilidade desses cientistas tenha sido convencer algumas mulheres a deixar suas inibições de lado e se masturbarem – ou até transarem – em nome da Ciência, incluindo experiências em inusitado aparelho de ressonância magnética.
Um dos líderes dessas pesquisas é o psicólogo Barry Komisaruk, da Universidade Rutgers, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, que queria avaliar se as diferenças cerebrais poderiam explicar por que homens e mulheres vivenciam o sexo de maneira distinta.
A conclusão é que, apesar das diferenças, homens e mulheres apresentam praticamente a mesma atividade neural durante o orgasmo. "As semelhanças são bem maiores do que as diferenças", afirma Komisaruk. "O que observamos é uma ativação completa do cérebro, com todos os sistemas funcionando ao mesmo tempo".
Mas se a floresta inteira está em chamas, é difícil identificar as pequenas fogueiras que estavam ali no início. Os cientistas, pelo menos, conseguiram encontrar uma delas: o núcleo accumbens, uma região do cérebro que lida com o prazer e a recompensa através da liberação de um neurotransmissor chamado dopamina.

Explicação para o orgasmo múltiplo?

null
Diferenças neurais explicam por que homens e mulheres reagem diferentemente depois do orgasmo
Experimentos mostraram que, se tiverem que escolher, ratazanas preferem receber estímulos elétricos nessa área cerebral do que comer – tanto que algumas chegavam a morrer de fome.
Esse ponto do cérebro também pode ser ativado por cocaína, anfetaminas, cafeína, nicotina e chocolate. Não há dúvidas sobre por que um orgasmo sempre faz a gente querer mais.
Depois do clímax sexual, no entanto, surgem algumas diferenças importantes, o que pode explicar por que homens e mulheres reagem de maneira tão distinta.
Komisaruk e a psicóloga australiana Kachina Allen descobriram indícios preliminares de que regiões específicas do cérebro masculino deixam de responder a estímulos sensoriais dos órgãos genitais logo depois do orgasmo. Enquanto isso, o cérebro da mulher continua a ser ativado.
Isso poderia explicar porque algumas mulheres experimentam o orgasmo múltiplo, enquanto os homens, não.

Anatomia do prazer

null
O ponto G foi tem sido objeto de investigações desde os anos 50
Se as experiências com ressonância magnética geraram alguma polêmica, as tentativas de se entender a anatomia do orgasmo foram ainda mais controversas.
O pênis tem apenas um caminho para levar as sensações até o cérebro, enquanto o aparelho genital feminino tem três ou quatro vias.
No comando da sexualidade da mulher está o clitóris. A existência desse pequeno órgão já é conhecida desde pelo menos a última era glacial, mas só começou a ser objeto de estudos científicos no século 16, quando foi descrito como uma estrutura com a função de induzir o prazer.
Já no início do século 20, Sigmund Freud, o "pai da psicanálise", afirmou que mulheres mais maduras experimentavam mais intensamente o orgasmo por estimulação vaginal do que clitorial, posteriormente irritando muitas feministas, por parecer que a falta desse tipo de clímax seria culpa das próprias mulheres.
Para tentar desmistificar o assunto, o psicólogo Barry Komisaruk e a sexóloga Beverly Whipple, também da Universidade Rutgers, conduziram, então, um estudo que examinou mulheres com vários graus de lesão na medula espinhal. Eles descobriram que mesmo aquelas que perderam as funções normais do nervo pudendo (que leva as sensações do clitóris ao cérebro) eram capazes de sentir toques e até orgasmo na vagina e no colo do útero. "Essa é provavelmente a melhor prova de que o orgasmo vaginal existe", afirma Komisaruk.
Isso ocorre porque são os nervos vagos, situados fora da medula, que conduzem as sensações da vagina para o cérebro. "As mulheres descrevem o orgasmo clitoriano como mais localizado e externo, e o clímax vaginal como interno e algo que envolve todo o corpo", explica o psicólogo.

A cruzada pelo ponto G

Portanto, se nervos diferentes podem conduzir sensações de partes distintas dos genitais femininos, será que algumas regiões da vagina são mais sensíveis do que outras?
O famoso ponto G foi, por muito tempo, o principal alvo das buscas de cientistas e casais. O termo foi criado no início dos anos 80 em homenagem ao ginecologista e obstetra alemão Ernst Gräfenberg. Em 1950, ele descreveu a existência de uma zona erógena na parede frontal da vagina, que correspondia à posição da uretra do outro lado.
Estudos posteriores revelaram uma complexa rede de vasos sanguíneos, terminações nervosas e reminiscências de uma espécie de "próstata" feminina na mesma área. Espalharam-se, então, os rumores sobre um "botão mágico" na vagina, capaz de detonar orgasmos poderosos.
Mas as evidências para comprovar ou refutar a existência de um ponto G ainda são imprecisas. Para complicar, ainda há um grande debate sobre a terminologia e a morfologia corretas das várias regiões internas do aparelho sexual feminino.
Entretanto, cientistas conseguiram demonstrar com consistência que existem diferenças físicas entre mulheres que experimentam o orgasmo vaginal e as que não. Em 2008, Jannini publicou um estudo envolvendo 20 voluntárias. Exames de ultrassom revelaram que aquelas que sentiam os estímulos vaginais apresentavam um tecido mais grosso no espaço entre a vagina e a uretra.
Na época, Jannini chegou a concluir que esse pedacinho do corpo seria o ponto G, mas logo repensou o assunto, com base em novos estudos. "A palavra 'ponto' sugere a existência de um botão, algo que precisa ser apertado para se obter prazer", afirma. "Isso implica uma estrutura concreta que ou está lá ou não está."

A redescoberta do clitóris

Se não for um botão, o que é o ponto G, então? Bem, cada vez mais cientistas estão chegando à mesma conclusão: que se trata de nada menos do que o clitóris.
Imagens de ressonância magnética recentemente revelaram que o órgão está longe de ser diminuto como se pensava: trata-se de uma estrutura volumosa que mede até 9 centímetros de comprimento, em foma de "Y" e que serpenteia por fora da vagina e sobe até a pelve ao longo da uretra.
Sua parte externa é, na realidade, a glande, e também a área mais sensível. Mas suas "pernas" se abrem pela abertura da vagina e se estendem pelos grandes lábios.
Tanto o clitóris quanto o pênis derivam do mesmo tecido embrionário e se diferenciam no início da gestação segundo o sexo do embrião. Mas o órgão feminino continua crescendo em resposta a hormônios mesmo depois da puberdade, enquanto o masculino não.
Outro estudo, realizado em 2009 por Rachel Pauls, uroginecologista em Cincinnati, no Estado americano de Ohio, analisou a influência do tamanho e da posição do clitóris na maneira como elas sentem o orgasmo vaginal. Com imagens de ressonância magnética de 30 voluntárias, a cientista descobriu que quanto menor a glande e quanto maior a distância entre o clitóris e a vagina, mais difícil é para a mulher chegar ao clímax.

Experimentar é preciso

Todas essas pesquisas significam que existem várias maneiras de as mulheres experimentarem o orgasmo. "Há uma boa base neuro-anatômica para diferentes tipos de orgasmos e diferentes tipos de sensações", afirma Komisurak.
Já para as mulheres que têm dificuldade de atingir o clímax durante a penetração – ou qualquer tipo de estimulação – a mensagem dos cientistas é simples: experimentem.
"Não há nada errado com essas mulheres. Todo o mundo é diferente e elas precisam explorar seus estímulos", afirma Pauls.
O psicólogo italiano Jannini concorda: "Além de curtir o sexo, curta se conhecer e entender quem você é hoje, porque amanhã você provavelmente será diferente". E não subestime a imensa variedade em oferta. "Não encare o corpo feminino como uma máquina que só pode operar de uma determinada maneira", conclui.

O homem que criou um negócio milionário ajudando os amigos nas tarefas da faculdade


Desde pequeno, o sul-coreano Simon Lee era viciado em novos idiomas.
Hoje, ele é um empreendedor muito bem-sucedido aos 32 anos de idade. Lee fala seis línguas - coreano, inglês, francês, árabe, mandarim e japonês - e diz que ainda tem planos de estudar outros idiomas no futuro.
Com tal habilidade linguística, o empresário sum-coreano nunca precisou usar nenhum serviço de tradução. Mas depois que seus colegas de sala na Universidade de Seul começaram a lhe pedir ajuda com os trabalhos de inglês na faculdade, viu que ali existia uma grande oportunidade de negócio.
Assim, lançou sua primeira empresa: a Flitto, nascida em setembro de 2012 e hoje com mais de 5 milhões de usuários ao redor do mundo. De lucro, a companhia registra cerca de US$ 2,1 milhões por ano.
Diferente da maioria das empresas do ramo, Lee não emprega tradutores de maneira direta.
Ele convida as pessoas que sabem mais de um idioma a oferecerem seus serviços no site e no aplicativo para celulares da Flitto. São mais de um milhão de tradutores cadastrados em 170 países que podem traduzir até 17 idiomas distintos. Cada um cobra pelo trabalho que faz – e a Flitto fica com uma porcentagem do valor.

Uma vida nômade

Mas vale a pena olhar a história de Lee para entender sua paixão pelas línguas estrangeiras. Por conta do trabalho de seu pai em uma empresa multinacional, Lee passou a maior parte da vida fora da Coreia do Sul.
Ele nasceu no Kuwait, onde passou seus quatro primeiros anos de vida, antes que seus pais decidissem se mudar para o Reino Unido.
Três anos mais tarde, outra mudança, desta vez para os Estados Unidos. E outra, para a Arábia Saudita, um ano depois.
null
A empresa opera tanto em um site na internet como em um aplicativo no celular
Sua educação em escolas internacionais fez com que aprendesse muito rápido inglês, francês e árabe, que se somaram ao coreano, a língua natal.
"Conheci pessoas de todos esses países diferentes", conta.
"Me dei conta que todos nós seres humanos somos iguais, mas a diferença nos idiomas que falamos geram mal-entendidos."
Depois de sete anos na Arábia Saudita, Lee e sua família voltaram à Coreia do Sul, onde ele terminou a escola e foi estudar na prestigiada universidade coreana.
Mal sabia ele que dali sairia a ideia de seu negócio milionário.

Fonte de inspiração

Nos primeiros meses da faculdade, seus amigos já começaram a pedir ajuda para traduzir trabalhos e tarefas para o inglês, que era parte dos requisitos acadêmicos dos cursos que faziam na universidade. "Meus colegas me diziam: 'Simon, se você traduzir isso para mim, te pago o jantar."
"E cada vez mais e mais amigos me pediam ajuda com isso. Aí comecei a ficar sem tempo para ajudar a todos", disse.
null
A primeira tentativa de negócio de Lee fracassou
Foi aí que ele descobriu o potencial dos serviços de tradução e começou a pedir ajuda a outros poliglotas do seu círculo de amizadas.
Seu negócio estava só começando - e ele decidiu mudar da Coreia do Sul para investir nele.
"Queria ir para um lugar diferente, não tinha dinheiro e se ficasse em Seul e me comparasse com meus amigos, iria ficar deprimido por não poder ter acesso ao que eles tinham."
Foi assim que decidiu se mudar para Londres, um destino muito popular por ser uma cidade multicultural e por apresentar uma pluralidade de idiomas falados nas ruas todos os dias.
Lá, em um escritório compartilhado com várias outras start-ups que precisavam de suporte financeiro, Lee pensou em uma maneira inovadora de atrair atenção para o seu site e aplicativo. Ele precisava conquistar o interesse tanto de potenciais clientes, como de tradutores voluntários.

Famosos

A resposta que achou para divulgar a Flitto foi copiar tuítes de pessoas famosas, como a Lady Gaga, e motivar as pessoas a traduzi-los em diferentes idiomas, oferecendo em troca prêmios de merchandising relacionados com a celebridade em questão.
Funcionou. A ideia de usar nomes de famosos garantiu a ele uma divulgação global.
A Flitto logo começou a crescer, e a marca foi reconhecida com um número crescente de tradutores que mostravam interesse pelo projeto.
null
Equipe de Lee trabalhando na Flitto
Hoje, a empresa de Lee tem sua sede em Seul, com 34 empregados e uma média de 70 mil pedidos de tradução por dia: desde pessoas que precisam de ajuda com alguns parágrafos até empresas que contratam traduções de grandes volumes de texto.
Cada tradutor – mais de um milhão deles – é classificado em um sistema de estrelas, de acordo com o grau de satisfação do cliente com cada trabalho entregue.
Além disso, a Flitto tem sua própria loja com mercadorias da marca, que vão desde uma linha de roupas até capinhas de celulares.
Lee conta que, por não ter tradutores como empregados diretos, sua empresa tem custos reduzidos com relação a outras companhias do mesmo ramo.
Ele diz que não se sente ameaçado pelo crescimento exponencial dos serviços de tradução automática oferecidos na internet porque "eles nunca serão tão precisos como o de uma pessoa."

Sem descanso

Mas a vida de Lee não teve só ideias bem-sucedidas. Uma tentativa parecida de criar uma empresa de tradução em 2007 fracassou completamente.
"O problema é que não havia smartphone na época", afirmou, e a tarefa se fazia mais lenta, porque não havia tantas opções na hora de trabalhar.
Lee se define como um "viciado em trabalho" - e foi capaz de ficar sem férias por seis anos.
null
Apesar do estresse, Lee aconselha empregados que sonham em ter o próprio negócio: 'Vale a pena tentar'
Foram seus colegas de trabalho que lhe obrigaram a tirar alguns dias.
"Eles me forçaram a tirar férias, eu nunca quis. Me disseram: 'Simon, você não está bem. Não está saudável. Achamos que você precisa de um tempo para relaxar'."
"Quando meus empregados me perguntam 'Simon, você aconselha que eu tenha meu próprio negócio?'. Eu digo: 'olha, é muito estresse!'"
Ainda assim, Lee reconhece que vale a pena tentar.
"Siga seu sonho e acredite em você mesmo, esse é o meu conselho", aponta o empreendedor sul-coreano.

Foto com biquinho no Tinder? A ciência explica

Thinkstock

Cientistas sugerem que a escolha de fotos para aplicativos de encontros e a escolha dos parceiros por meio destes aplicativos depende muito mais de instintos primitivos do que de decisões racionais.
E estas decisões instintivas podem ajudar explicar os selfies com biquinhos, as fotos feitas com taças de bebidas caras, e a razão de alguns homens agirem como bobos quando finalmente arrumam parceiros.
Segundo o pai da teoria da evolução, Charles Darwin, humanos, como todas as criaturas, competem por um parceiro adequado.
Na natureza, esta competição ocasionalmente envolve espancamento de adversários, mas grande parte das estratégias envolve algo para impressionar possíveis parceiros.
Algumas aves, morcegos, lagartos e peixes se reúnem para que os machos possam se exibir e as fêmeas possam escolher um namorado com as maiores penas ou qualquer que seja o atrativo exibido pelo animal.
No entanto, não existia algo assim para os humanos até o aparecimento de aplicativos como o Tinder.
Estes aplicativos permitem que a pessoa analise muitos possíveis parceiros de uma vez e tudo o que a pessoa tem para a analisar é uma foto.
Sean Rad, um dos fundadores do Tinder, afirmou recentemente que os usuários do aplicativo "entendem as fotos em um nível profundo". E a ciência parece concordar com esta afirmação.
Cientistas afirmam que humanos são programados para achar que certos traços são atraentes.
Falando diretamente: homens são atraídos pela boa aparência enquanto que as mulheres dão mais mais valor a um parceiro com recursos para compartilhar.

Sensualidade, posses e poses

"Acho que ninguém fez uma pesquisa científica no Tinder, ainda", disse Laurie Santos, professora de Psicologia na Universidade de Yale, nos Estados Unidos.
A professora nota que muitos homens mostram fotos com carros esportivos ou relógios Rolex ou fotos de férias em lugares caros, ou seja, mostram os recursos.
"Nós prevemos que as mulheres no Tinder devem tentar parecer sexy, enquanto os homens precisam mostrar suas coisas", disse.
Seguindo esta linha de pensamento, homens que procuram mulheres querem que elas sejam saudáveis e consigam ter filhos.
Os ancestrais pré-históricos dos humanos tinham que tentar adivinhar quem era as mais férteis: mulheres com curvas e com cinturas mais finas que os quadris eram a melhor aposta.
E isto parece familiar até nos dias de hoje. Muitos usuários do Tinder falam sobre o número de mulheres fotografadas com uma pose típica: mão no quadril, uma perna dobrada, tudo para aumentar a curvas.
null
Homens também fazem pose; evolução explica atração por músculos
Os homens também não escapam das poses: muitos deles mostram a barriga tanquinho.
Pode ser que os músculos exibidos façam com que o fotografado pareça ser um caçador de mais sucesso e, por isso, um parceiro melhor.
No entanto, os homens sem braços fortes ou barriga tanquinho não precisam se desesperar. Exibir um relógio caro ou carro esportivo também serve.
De acordo com especialistas, mulheres procuram recursos mais do que a aparência, para cuidar das crias.
Ecoando o que se vê no Tinder, as mulheres pré-históricas procuravam mais um homem com uma caverna boa e quente ou um bom arco e flecha para capturar o jantar.
"Você vê muitos homens em fotos com carros esportivos, relógios Rolex ou em férias caras - mostrando os recursos", disse a professora Laurie Santos.

Biquinho e seleção

Também existe uma explicação científica para as fotos de mulheres com biquinho, ou, como é chamado em inglês "duck face" (cara de pato, em tradução livre).
Cientistas calculam que homens acham atraentes as mulheres de lábios carnudos e maçãs do rosto altas. Na mente humana estes traços estão ligados à juventude e altos níveis de hormônio feminino, o estrogênio.
Garotas que fazem o biquinho ou que estão sugando um canudo nas fotos estão enviando um sinal evolucionários, dizendo aos homens que elas provavelmente são bem férteis.
Os dados do aplicativo também sugerem que as mulheres são bem mais exigentes nas escolhas do que os homens, e que eles agem de uma forma idiota quando conseguem uma parceira.
null
Biquinho também está ligado à evolução dos humanos
As usuárias relatam ao Tinder o recebimento de mensagens ofensivas e abusivas, especialmente quando elas recusam algum pretendente.
Para Sean Rad, um dos fundadores do aplicativo, isto é normal e algo que tende a desaparecer.

                                                    TAKE A LOOK AT THIS IMPERMISSIBLE ITEMS YOU WILL NOT BELIEVE                  ...