Thursday, December 29, 2016

10 THINGS TO KNOW FOR TODAY

1. WHO IS NOW LINKED BY DEATH
Debbie Reynolds embodied the sunshine of postwar America on the screen, while Carrie Fisher brought the sass and sarcasm of the Baby Boomers to her work. Mother and daughter died on successive days.
2. HOW FANS ARE HONORING CARRIE FISHER
She didn't have a star on the Hollywood Walk of Fame, so fans have taken over a blank sidewalk star to pay tribute to the late "Star Wars" actress.
2. RELATIONS BETWEEN OBAMA, NETANYAHU CAMPS HIT ROCK BOTTOM
It took eight years of backbiting and pretending they got along before relations between President Obama's administration and Israeli Prime Minister Netanyahu's government finally tanked.
3. WHAT IT MEANS IF TRUMP NAMES CHINA A CURRENCY MANIPULATOR
Donald Trump has vowed to label China a currency manipulator on his first day in the White House - but independent economists say China isn't meddling in markets to lower the yuan's value.
4. US SENATORS SAY RUSSIA SHOULD BE SANCTIONED FOR ELECTION HACKS
They're calling for sanctions against Russia for interfering in the presidential election by hacking American political sites and email accounts.
5. WHERE OBAMA IS EXPANDING HIS ENVIRONMENTAL LEGACY
President Barack Obama is naming two new national monuments in Utah and Nevada at sites that have become key flashpoints in battles over public lands in the West.
6. IRAQI TROOPS RESUME MOSUL FIGHT AFTER 2-WEEK LULL
Iraqi troops, backed by airstrikes, Iraqi special forces, have pushed deeper into the Islamic State-held city after a two-week lull in the operation to retake it.
7. WHY AMAZON'S ALEXA COULD BE A WITNESS TO MURDER
The hypothetical question is at the center of an Arkansas murder case in which prosecutors are seeking to obtain data from an Amazon Echo smart speaker.
8. RUSSIAN PLANE CRASH PROBE FINDS NO EVIDENCE OF EXPLOSION
A Russian military official says analysis of a crashed plane's flight recorders has shown there was no blast on board, but stopped short though of immediately ruling out a terror attack.
9. JAPAN'S DEFENSE MINISTER VISITS WW2 SHRINE
Japanese Defense Minister Tomomi Inada, just back from Pearl Harbor, visited a Tokyo shrine that honors convicted war criminals among the nation's war dead, drawing a rapid rebuke from neighboring South Korea.
10. MAIMED LIONS SHOW CHALLENGES OF RECOVERY IN MOZAMBICAN PARK
They highlight the pressures of rebuilding a lion population that was almost wiped out during civil war, one of conservation's more dramatic stories in Africa.

Wednesday, December 28, 2016



Coincidences are not accidents but signals from the universe which can guide us toward our true destiny.

Most of us go through life a little afraid, a little nervous, a little excited. We are like children playing hide and seek, wanting to be found, yet hoping we won’t be, biting our nails with anticipation. We worry when opportunity approaches a little too closely, and hide deeper in the shadows when fear overcomes us. This is no way to go through life. People who understand the true nature of reality, those whom some traditions call enlightened, lose all sense of fear or concern. All worry disappears. Once you understand the way life really works—the flow of energy, information, and intelligence that directs every moment—then you begin to see the amazing potential in that moment. Mundane things just don’t bother you anymore. You become lighthearted and full of joy. You also begin to encounter more and more coincidences in your life
  
When you live your life with an appreciation of coincidences and their meanings, you connect with the underlying field of infinite possibilities. This is when the magic begins. This is a state I call synchrodestiny, in which it becomes possible to achieve the spontaneous fulfillment of our every desire. Synchrodestiny requires gaining access to a place deep within yourself, while at the same time awakening to the intricate dance of coincidences out in the physical world.
When a coincidence arises, don’t ignore it. Ask yourself, What is the message here? What is the significance of this? You don’t need to go digging for the answers. Ask the question, and the answers will emerge. They may arrive as a sudden insight, a spontaneous creative experience, or they may be something very different. Perhaps you will meet a person who is somehow related to the coincidence that occurred. An encounter, a relationship, a chance meeting, a situation, a circumstance will immediately give you a clue to its meaning. “Oh, so that’s what it was all about!”
Another thing you can do to nurture coincidence is to keep a diary or journal of coincidences in your life. After years of note-taking, I classify coincidences as tiny, medium, whoppers, and double-whoppers. You can do this in any way that is easy for you. For some people, it is easiest to maintain a daily journal and underline or highlight words or phrases or names of things that show up as coincidences. Other people keep a special coincidence diary. They start a new page for each significant coincidence, then jot down any other connections to that event on its page.
For people who want to delve deeply into coincidence, one of the processes I recommend is recapitulation. This is a way of putting yourself in the position of observer of your life, and of your dreams, so that connections and themes and images and coincidences become clearer. Because our connection to the universal soul is much more obvious when we are dreaming, this process allows you to access a whole new level of coincidences.
When you go to bed at night, before you fall asleep, sit up for a few minutes and imagine that you are witnessing on the screen of your consciousness everything that happened during the day. See your day as a movie. Watch yourself waking up in the morning, brushing your teeth, having breakfast, driving to work, conducting your business, coming home, eating dinner—everything in your day right up to bedtime. There is no need to analyze what you see, or evaluate, or judge... just watch the movie. See it all. You may even notice things that did not strike you as important at the time. You may notice that the color of the hair of the woman behind the drugstore counter was the same as your mother’s when you were young. Or you might pay special attention to a little child who was crying as his mother was dragging him down a supermarket aisle. It’s amazing the things that show up in the movie of your day that you may not have consciously noted during the day itself.
As you watch your day go by in the movie, take this opportunity to view yourself objectively. You may find yourself doing something that you’re particularly proud of, or at times you may notice yourself doing things that are embarrassing. Again, the goal is not to evaluate, but to get little insights into the protagonist’s behavior—this character that is your self.
When the recapitulation is over—which can take as little as five minutes or as long as a half hour—say to yourself, “Everything that I’ve witnessed, this movie of a day in my life, is now safely stored away. I can summon those images on the screen of my consciousness but as soon as I let them go, they disappear.” The movie is over. Then, as you go to sleep, say to yourself, “Just as I now recapitulated the day, I am giving instructions to my soul, my spirit, my subconscious to witness my dreams.” Initially you may not notice much of a change. But if you practice this every night for a few weeks, you will start to have a very clear experience that the dream is the scenery, and you are the person watching it all. When you wake up in the morning, recapitulate the night, just as you recapitulated the day at night.

COINCIDENCIAS NAO EXISTEM TUDO EH MATEMATICA

Matemático norte-americano explica como alguns dos maiores acasos das nossas vidas se resumem, na verdade, a probabilidades e números

Imagine o seguinte: numa manhã de domingo de junho de 1923, a escritora norte-americana Anne Parrish vai passear pelas ruas de Paris, onde está a passar férias com o marido. Ela entra numa livraria que está um pouco escondida e vê um livro que lhe traz boas lembranças: Jack Frost e Outras Histórias.

Anne Parrish compra o livro, porque era um dos seus favoritos quando era criança, e vai mostrá-lo ao marido. Quando o marido abre o volume, lê na primeira página: "Anne Parrish, 209 North Weber Street, Colorado Springs, Colorado" e descobre que a mulher acabou de comprar o livro que lhe pertencia quando era mais nova.

Esta história poderia ser sobre uma tremenda coincidência, não fosse o facto de Joseph Mazur não acreditar em coincidências. Para o professor de matemática da faculdade de Marlboro, em Vermont, Estados Unidos, tudo se resume a probabilidades, até nos casos mais inacreditáveis.

Joseph Mazur mediu todas as variáveis desta história - como a probabilidade de uma americana ir para Paris, passear numa manhã de domingo, ir a uma livraria que venda livros em inglês, procurar livros na secção infantil - e descobriu que as chances da mulher se reunir com o livro da infância eram de 1 em 3331.

"Era muito pouco provável que acontecesse, mas não é tão incrível como parece à primeira vista", explica o matemático e autor do livro Fluke: The Maths and Myths of Coincidences. "É ligeiramente mais fácil que te saiam quatro cartas iguais na primeira distribuição cartas no póquer".

Um amigo telefonar no exato momento em que íamos pegar no telefone para lhe ligar, encontrar alguém fisicamente parecido connosco, apanhar o mesmo táxi em duas cidades diferentes em poucos dias ou até ganhar a lotaria quatro vezes é mais provável do que parece.

Mazur afirmou ao El Mundo que até as coincidências mais espetaculares podem ser explicadas pela matemática. O ser humano não aceita este facto porque não entende as leis da probabilidade e porque os acasos e coincidências têm o seu encanto, segundo o professor.

"O mundo é tão grande, tão estranho e dá tanto medo que as histórias de casualidades nos fazem sentir mais seguros", explicou Mazur. "Quando nos encontramos com um conhecido noutra ponta do mundo, não fazemos uma análise fria das probabilidades disso ocorrer. Conforta-nos simplesmente sentir que há uma espécie de mão que guia os nossos passos".

Joseph Mazur baseia os seus cálculos na Lei dos Grandes Números, que diz que se uma experiência se realizar um número suficiente de vezes, vão acabar por sair resultados cada vez mais inesperados. Por outras palavras, se algo pode acontecer, acabará por acontecer.

Um exemplo desta lei é o Teorema do Macaco Infinito, que diz que se um macaco carregar aleatoriamente nas teclas de uma máquina de escrever durante muito tempo, acabará por escrever um texto de William Shakespeare.

Para escrever um texto completo pode demorar vários anos, mas a matemática diz que as probabilidades do mesmo macaco escrever a palavra inglesa "shall", com que começa um dos sonetos do poeta Shakespeare, são de uma em 11,88 milhões.

Os piratas informáticos usam esta lógica para desvendar palavras-passe, testando milhões de hipóteses com algoritmos e computadores.

O mito das coincidências sobrevive graças à "nossa memória seletiva", explica Mazur. "Todos os dias há milhares de milhões de coincidência que não acontecem e não nos lembramos delas. Mas as que acontecem - como a do livro de Anne Parrish - ficam-nos gravadas na memória, contamo-las em festas e acabamos por chamar coincidências e acontecimentos que são meras probabilidades matemáticas".

Se por um lado Mazur quer apagar a ideia das coincidências, ele assume que as probabilidades também podem mudar vidas. Como exemplo, conta a história de como conheceu a mulher.

"Foi numa marcha contra o Vietname com centenas de milhares de pessoas", conta. "Ela estava ao meu lado, nós começamos a falar e o resto é história. Sim, já sei que podia ter conhecido muitas outras mulheres mas gosto de pensar que ela é a minha alma gémea e que estava a minha espera", conclui.

Sunday, December 25, 2016

Denying Conflict, Trump Family Tries to Resolve Potential Problems

 Realizing that his presidency could face potentially crippling questions over conflicts of interest, Donald J. Trump and his family are rushing to resolve potential controversies — like shuttering foundations and terminating development deals — even as the president-elect publicly maintains that no legal conflicts exist.
In recent days, the president-elect and his aides have said that he intends to distribute the assets of his personal charity and then close it down, has examined a plan to hire an outside monitor to oversee the Trump Organization and has terminated some international business projects.
“This is a process that my father and my family are taking incredibly seriously,” said Eric Trump, who will help oversee the Trump Organization, and who announced last week that he was terminating fund-raising for his own charity, the Eric Trump Foundation.
Even with these steps, Mr. Trump will enter the White House with a maze of financial holdings unlike those of any other president in American history. Many ethics experts still say the only way Mr. Trump can eliminate his most serious conflicts is to liquidate his company, and then put the money into a blind trust — a move Mr. Trump has so far rejected as impractical and unreasonable.

Saturday, December 24, 2016

Why Do Politicians Kiss Babies?


When a politician hits the campaign trail, it’s expected that he or she will press a plethora of palms and embrace a lot of infants. The handshaking makes sense, but the baby-kissing tradition is often an awkward, germy situation for everyone involved. So why does anyone do it?
It turns out there’s precedent for smooching chubby cheeks that goes back to Andrew Jackson, and maybe further. According to a story printed in 1887, Jackson, aware that baby-handling was part of the deal, eagerly grabbed a dirty-faced infant from his mother during an 1833 tour of New Jersey, declaring the tot “a fine specimen of American childhood.” Then he thrust the baby into the face of his Secretary of War, General John Eaton, and said, “Eaton, kiss him.” The secretary pretended to do so, everyone laughed, and the mother had a great story to tell her friends and family. Although there are several anachronisms in this story—the most obvious being that John Eaton had resigned from the position of Secretary of War two years prior—there have been several stories of politicians kissing babies since, including Abraham Lincoln.
Today, politicians believe that showing a softer side can help them win more votes; at the very least, they may sway the doting parent. In return, in a best case scenario, mom or dad can say their child met the future President of the United States. Worst case, it’s a photo op with a famous politician. Not a bad addition to the baby book.
Not everyone thinks baby-kissing is such a great tactic, however. After Benjamin Harrison politely declined to bestow a smooch on one in 1889, suffragist/activist Elizabeth Cady Stanton praised him, and quoted the editor of the New York Tribune, who wrote, “The parent who always expects the baby to be kissed, and the person who feels bound to kiss every baby that comes within reach are equally foolish and obnoxious characters. Children have a right to their kisses as well as older folks. They should not be made the prey of every officiously amiable person in their circle.”
Nonetheless, the tradition continued, even though some politicians expressed distaste for it. Richard Nixon refused to do it, worrying that such stunts would make him "look like a jerk." Geraldine Ferraro, the 1984 Democratic vice presidential candidate, disliked the practice, even once telling The New York Times, "As a mother, my instinctive reaction is how do you give your baby to someone who's a total stranger to kiss, especially with so many colds going around? And especially when the woman is wearing lipstick? I mean, I find that amazing that someone would do that.’’ But she did it to keep the masses happy.
On the flip side, 1968 Democratic presidential candidate Hubert Humphrey defended his affection for children as genuine, stating that being around youngsters after long hours of glad-handing adults left him feeling “refreshed.”
Modern-day candidates are split: Bernie Sanders preferred to avoid baby-kissing, Hillary Clinton does it, and Donald Trump has, too. At the end of the day, as long as politicians think puckering up to a tot will help move the needle, the puzzling practice isn't going away.

curiosidades do Natal nos Estados Unidos


Árvores de Natal naturais ainda são bastante comuns nas casas americanas.Fazendas de árvores de Natal cultivam vários tipos de pinheiros e montam pontos de venda em cidades ou abrem as portas para que você mesmo vá lá cortar. Segundo grupos de presevação ambiental, a árvore natural é melhor pro meio ambiente do que as de plástico, que não são biodegradáveis. Além disso suportam os pequenos fazendeiros locais ao invés de importar as árvores plásticas da China.
Uma bebida tradicional de Natal nos EUA é o eggnog. Uma mistura de gemas de ovos, leite, açúcar, creme e noz moscada que você pode fazer ou comprar pronto nos supermercados (gelada). Tem também um monte de doces e chocolates “sabor eggnog” nessa época do ano. A rainha do lar Martha Stewart tem várias receitas pra quem quiser testar. Eu pessoalmente provei e não gostei, mas como não gosto de leite ou bebidas lácteas, não foi uma surpresa.

Nova York é a cidade onde o Natal é mais famoso e dezembro é uma das épocas mais caras pra visitar a cidade por causa disso (hotéis que já são caros duplicam ou triplicam o preço). Mesmo os americanos costumam visitar nessa época. Com as famosas vitrines de Natal da Macy’s, a árvore de Natal do Rockerfeller Center (e o rink de patinação) e o Central Park com neve, a cidade tem aquele cenário de filme natalino como já vimos muitas vezes no cinema. O show das Rockettes no Radio City Music Hall é também tradicionalíssimo e copiado e apresentado em teatros em outras cidades pelo país. Eu estive lá em dezembro uma vez e realmente a cidade fica linda, pena que foi uma viagem a trabalho e não aproveitei tanto.

 Stockings são aquelas meias de Natal que os americanos penduram na lareira (ou na escada ou na janela na falta de lugar pra colocar). Cada membro da família tem a sua e dentro das stockings são colocados presentinhos pequenos como doces e outras miudezas – meias de Natal, chocolates, luvas, pequenos livros, itens de beleza, jogos, miniaturas. Esses itens são chamados “Stocking Stuffers” (literalmente pra estufar as meias). As famosas candy canes (as bengalinhas doces) vão bem dentro das meias e nas decorações de Natal, nas árvores e até pra decorar embrulhos.

 Os americanos adoram gift cards (vale presentes). Principalmente quando você não conhece bem a pessoa ou quando é uma relação profissional (exemplo: as professoras das crianças na escola). Nas lojas, farmácias, supermercados, você encontra literalmente dezenas de gift cards do Starbucks, iTunes, Target, restaurantes diversos, redes de cinema, pra todos os gostos em valores ao gosto do freguês. Gift cards também são ótimos stocking stuffers. Vou tirar uma foto dos gift cards a venda na farmácia ou no mercado da próxima vez que eu passar na frente, é uma super variedade.
O sonho geral da nação é ter um White Christmas, ou seja, um Natal branquinho com neve. Nem sempre isso acontece, mesmo em lugares bem frios não é sempre que tem neve no Natal.(alguns com muita, outros com um pouquinho, e o primeiro teve direito a neve caindo na véspera e no dia de Natal, que é ainda mais mágico).
Os americanos costumam comprar muitos presentes de Natal. Justamente porque compram coisas pequenas (como comida, gift cards, stocking stuffers variados), você vai somando isso tudo e é presente pra caramba no final. No meu primeiro Natal por aqui confesso que fiquei meio chocada (ainda acho um exagero mas já sei o que esperar).
Muitas famílias fazem um advent calendar, que você pode comprar pronto ou fazer, novamente no Pinterest tem trocentas ideias bacanas pra quem quer fazer uma coisa diferente. O calendário tradicional tem 24 quadradinhos que são os dias antes do Natal. O mais comum é colocar um pequeno presente (um doce ou algo igualmente pequeno) pra abrir a cada dia. Eu ganhei um de presente da minha sogra, mas a gente acaba esquecendo de usar direito, e não colocamos presentes, vamos colocando os bonequinhos de feltro dentro dos bolsinhos, porque não acho que precisa de mais doce ou mais presente do que já dão!
Fotos de Natal da família são uma tradição americana, principalmente quando se tem filhos pequenos. O pessoal se arruma todo, tira a foto e normalmente manda no cartão de Natal ou já faz um cartão com a foto impressa. Novembro já é temporada oficial de fotos de Natal em vários parques e também nos shoppings, com o Papai Noel que estiver de plantão.😉 Merry Christmas!

CURIOSIDADES SOBRE NATAL

1 - O peru de natal foi servido pela primeira vez como prato principal da ceia em 1621, durante o dia de Ação de Graças, no estado de Massachusetts, nos Estados Unidos.

2 - O presépio foi uma criação de São Francisco de Assis.

3 - As bolas natalinas surgiram para substituir as maçãs que eram colocadas nas árvores de natal como enfeites.

4 – A figura do papai Noel é uma homenagem ao bispo católico São Nicolau, que presenteava crianças pobres no século IV.

5 – A frase Feliz Natal pode ser dita da seguinte forma em outros idiomas: francês - joyeux Noel; inglês - merry christmas; alemão - frohe weihnachten; espanhol - feliz navidade; italiano - buon natale; e em polonês - wesotych swiat.

6 – Cerca de 40% dos brinquedos dados às crianças no Natal são quebrados em março.

7 - A Estátua da Liberdade foi um presente de natal dado pela França aos Estados Unidos.

8 – A música natalina Jingle Bells foi a primeira canção cantada no espaço, no dia 16 dezembro de 1965.


 



Wednesday, December 21, 2016

Newt Gingrich Says Trump Has Given Up On ‘Draining The Swamp’


Now, just weeks before taking office, Trump has decided to sideline his pledge to “drain the swamp,” his ally Newt Gingrich said Wednesday.
Gingrich (R-Ga.) the former House speaker, told NPR’s “Morning Edition.” “He now says it was cute, but he doesn’t want to use it anymore.”  also  told NPR he’s noticed a post-election change in Trump’s attitude about certain things, namely the “lock her up” chant that rang through campaign events. 
Sanders said in November. “And that is a lot of what Mr. Trump was saying to get votes turns out to be not what he intends to do as the president of the United States  so among others, has blasted Trump since the election for backpedaling on his promise to keep special interests out of Washington.

Otimismo pode evitar infecções, AVC, câncer, doenças cardíacas…

O estudo foi feito com 70 mil mulheres. E mostrou que as mais positivas tinham uma probabilidade 30% menor de morrer.

Achar que as coisas vão dar certo pode fazer com que você viva mais – especialmente se você for mulher. Uma pesquisa da Escola de Saúde Pública T. Chan, de Harvard, mostrou que quem tem uma atitude positiva diante da vida corre menos risco de morrer de câncer, doenças cardíacas, AVCs, doenças respiratórias e infecções.
A pesquisa, muito consistente, analisou um período de oito anos na vida de 70 mil mulheres – e a cada dois anos, colhia dados das voluntárias, como pressão arterial e o nível de atividade física. As participantes foram divididas de acordo com a sua propensão para o otimismo. As 25% mais otimistas entre elas tinham 16% menos chance de desenvolver um câncer, 38% risco menor de morrer de males do coração, 39% chance menor de ter doenças respiratórias e 52% risco menor de morrer de uma infecção. Comparado com o grupo mais ranzinza, as otimistas tinham chance 30% menor de morrer no período de 8 anos estudado.
“A maior parte dos esforços de saúde pública tenta reduzir os fatores de risco para doenças. Mas a nossa descoberta mostra que deveríamos nos esforçar em aumentar o otimismo, que está associado a hábitos mais saudáveis e a maneiras mais ajustadas de lidar com os desafios da vida”, declarou o autor do estudo, Eric Kim.
Os pesquisadores acreditam que, além de incentivar hábitos saudáveis, o otimismo também tenha alguma influência sobre o sistema imunológico dos pacientes. Eles ressaltam também que pequenas atitudes são suficientes para aumentar a positividade diante da vida. “Coisas simples, como pedir para que as pessoas escrevam as melhores coisas que poderão acontecer em suas vidas, suas carreiras e suas amizades já são capazes de alterar os níveis de otimismo”, disse a co-autora do estudo Kaitlin Hagan.

Só 5 presidentes eleitos completaram o mandato nos últimos 90 anos

O estado democrático brasileiro é mais frágil do que parece

Em 126 anos de República, o Brasil teve até hoje 36 governantes e apenas um terco deles foi eleito diretamente  e terminou o mandato. De 1926 pra cá, a proporção é ainda mais absurda: dentre 25 presidentes, apenas 5 foram eleitos pelo voto popular e permaneceram no posto até o fim: Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitschek, Lula, FHC e Dilma mas hoje  Dilma Rousseff se junta agora a outro clube restrito com 6 colegas: o dos presidentes depostos via impeachment ou golpe. São eles: Washington Luís, Júlio Prestes, Getúlio Vargas, Carlos Luz, João Goulart e Fernando Collor. Mas Por que nossa política é tão burra,

  A raiz do problema

O novato estava tão incomodado com o bate-boca no plenário da Câmara que o veterano foi consolá-lo. “Olha, Tiririca, eu entendo seu nervosismo”, disse Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), descendente do Patriarca da Independência, cuja família está na política nacional desde 1822. “É que você está acostumado com o circo. O circo é um ambiente de paz, harmonia, alegria. E de organização. Aqui é essa baderna, essa gritaria danada”, disse o deputado de 83 anos e nove mandatos. Tiririca concorda. “Nos três primeiros meses, fiquei muito acuado. Mas vi que funcionava assim, e ponto”, diz o segundo deputado mais votado da história, com 1,35 milhão de votos (atrás apenas do falecido Enéas). Mas, mesmo com tanta popularidade, Tiririca vai abandonar a política. Quando o Partido da República o convidou a ser candidato, sua mãe o convenceu a aceitar porque assim ele poderia “ajudar muita gente”. “Só que não é assim. É interesse próprio, é interesse de partido, é interesse do governo.” Na campanha, ele prometeu contar ao eleitor o que fazia um deputado federal. Hoje ele sabe. “É uma pessoa que trabalha muito e produz muito pouco.”
Tiririca virou ícone da descrença na democracia brasileira. Da sua eleição ao anúncio de volta à vida circense, a mensagem é a mesma – “pior que está não fica”. Mas será que as coisas vão tão mal assim? Comparado aos nossos colegas emergentes, somos até uma democracia admirável. Nossas eleições são livres. Nosso sistema de votação eletrônica, embora peque em transparência, é referência mundial. Nossa imprensa é independente, ao menos nas principais capitais. E temos três poderes bem divididos. Ok, a presidenta tem grande poder – como administrar um orçamento de R$ 2,3 trilhões e criar medidas provisórias com valor de Lei. Mas, para servir de freio a ela há 513 deputados e 81 senadores que estão lá representando o povo e seus Estados. Sem a aprovação deles, no Congresso, o Executivo não faz nada. No papel, é um modelo lindo. Só que na prática eu, você e a torcida de todos os times da pátria sabemos que a verdade não é bem por aí.
Tudo funcionaria bem, não fosse o fato de, em vez de um mandato, o Congresso receber carta branca de seus eleitores. Sim, deixamos nossos representantes fazerem o que quiserem com seus cargos. Passado um mês desde a eleição de 2010, um em cada cinco eleitores havia se esquecido em que parlamentar tinha votado, segundo pesquisa do Tribunal Superior Eleitoral. Já o Estudo Eleitoral Brasileiro, feito pela Unicamp, mostra que 70% esqueceram em 2010 em que deputado votaram quatro anos antes. Não é que o brasileiro não sinta que seus representantes o representem. Ele sequer sabe quem é o seu representante. E, sem isso, o congressista não tem controle. Faz o que quer.
Vamos às urnas a cada dois anos, mas no resto do tempo não participamos das escolhas feitas no bairro, na igreja, no trabalho e nos outros espaços que fazem parte da nossa vida. “A política virou um departamento à parte, dissociado da sociedade”, diz o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ). “E o povo a vê como uma instância que não lhe diz respeito.” O resultado é que dificilmente a carreira política atrai as pessoas mais capacitadas. Você tem algum amigo talentoso? Pois bem, provavelmente ele não quer ser político. Em geral, pessoas talentosas vão à universidade, escolhem uma profissão e vão brilhar muito em uma empresa ou em qualquer espaço onde lhes deem recompensas mais imediatas e palpáveis. A política é frustrante demais. Para entrar nela, é preciso atravessar a piscina de lama do financiamento eleitoral. Depois, é necessário lutar contra um grupo de pessoas que estão lá por motivos que não são exatamente “a formação de um país melhor”. A quem então interessaria a profissão de suas excelências?
Poucos quilômetros passados desde o aeroporto Juscelino Kubitschek, chega-se a um trevo no qual uma placa indica: “zoológico”. Parece piada, mas, se você seguir a indicação, chegará a Brasília. Como um zoológico, a capital federal é isolada do hábitat natural da maioria da população (a única região metropolitana a menos de 12 horas de ônibus é a de Goiânia). Ao mesmo tempo, também reúne num pequeno espaço uma fauna muito representativa da diversidade brasileira. Para garantir essa representatividade, os espécimes expostos passam por uma seleção que acontece a cada quatro anos: as eleições para deputado ou senador.
Em alguns países, como nos EUA, a eleição para a Câmara é como uma competição de 100 metros rasos – cada cadeira representa um distrito, disputado por alguns poucos candidatos próximos ao eleitor. Em outros países, como a Espanha, é como uma prova de equipe – vota-se num partido, que apresenta uma proposta política. Já no Brasil, temos uma ultramaratona. São milhares de candidatos disputando as cadeiras de um Estado inteiro, cada um correndo por si. Segundo o cientista político Barry Ames, da Universidade de Pittsburgh, esse nosso sistema dá espaço para quatro tipos de candidatos – e nenhum deles é aquele seu amigo talentoso. Vamos chamá-los de Líderes de Entidade, Burocratas, Caciques e Pastores.
Em regiões metropolitanas, quem tem mais chance são os Líderes de Entidades: sindicatos, federação de indústrias, associações de comerciantes e conselhos de profissionais. Essas entidades se organizam em torno dos interesses de sua categoria e lançam líderes para defendê-los em Brasília. Já em campanhas espalhadas pelo Estado, ganham uma vantagem tremenda os Burocratas, como os secretários de educação ou saúde. Eles são figuras que, por terem ocupado cargos estratégicos no Executivo, têm uma grande exposição para a população – e acabam lembrados na hora das urnas.
Agora, no eleitorado de municípios menores, quem ganha são os Caciques – geralmente, membros de famílias políticas tradicionais na região. Uma vez no poder, elas conseguem fortalecer sua influência alimentando seu curral eleitoral com verbas federais. E, por fim, há uma última possibilidade: juntar votos de algumas poucas pessoas que tenham algo em comum, mas que estejam espalhados por todo o Estado. A princípio, isso vale para qualquer minoria – vegetarianos, correntes ideológicas radicais, descendentes de imigrantes, LGBTs… Mas para se eleger é preciso mais do que uma identidade. É necessário ter líderes, uma estrutura de campanha e uma rede de seguidores. Hoje, quem tem isso mais bem organizado são os pastores de igrejas evangélicas.
Essa divisão tem um problema sério: o poder se torna um incentivo por si mesmo. Só será eleito quem já tiver poder. Afinal, como competir com um burocrata que tem a máquina pública a seu lado? Ou com um líder religioso que controla as almas de seu rebanho? Diante do moto-perpétuo político, não há espaço para pessoas com talento, nem para os interesses do cidadão comum. Assim, a política deixa de ser um lugar para a discussão de ideias ou para a construção de um país melhor – ela apenas serve para manter as antigas e duvidosas estruturas. Ou seja, melhorar a nossa vida não necessariamente está em debate por lá.
AS TENTAÇÕES DO PODER
É tudo ladrão? Não. Mas veja como os parlamentares podem usar a política para tirar proveito próprio.
1. O TIRA-GOSTO
Cada parlamentar custa em média R$ 7,4 milhões por ano. Com a verba de gabinete, é comum contratar funcionários domésticos e retribuir cabos eleitorais e doadores de campanha. O senador Fernando Collor (PTB-AL), por exemplo, já chegou a pagar com verba de gabinete o jardineiro da Casa da Dinda e duas arquivistas do “Centro de Memória Fernando Collor”. Já o “cotão” pode ser indevidamente usado para comprar jornalistas, pagar material de campanha e contratar empresas-fantasmas.
2. O LANCHINHO
Para continuar na vida política, os caciques regionais precisam manter seu curral eleitoral. Como? Com as “emendas parlamentares” – o direito de remanejar R$ 15 milhões do Orçamento Geral da União. Com elas, o parlamentar constrói creches, compra ambulâncias e fortalece alianças com prefeitos locais. Se quiser se reeleger ou disputar um cargo executivo, meio caminho andado. Mas tem mais. Essas emendas podem ir para entidades-fantasmas, contratos superfaturados, ONGs de amigos…
3. O PRATO COMERCIAL
Políticos podem propor e votar matérias de acordo com os interesses dos setores que os elegeram. Para isso, eles se organizam em Frentes Parlamen-tares – grandes bancadas suprapar-tidárias que defendem causas específicas, como ambiente e porte de armas. Mas há também os interesses de quem pagou a eleição. E é nesse momento que lobistas e financiadores de campanha recebem o retorno de seus investimentos. “Fiz um projeto para proibir embalar bebidas alcoólicas com garrafa PET”, diz o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ). “Mas o projeto foi destroçado nas várias comissões em função de lobbies.”
4. O BANQUETE
Para que um presidente consiga governar, ele precisa de apoio no Congresso. E o que o Planalto pode oferecer em troca são ministérios. O PMDB ficou com a Previdência, Minas e Energia e outros três. O PDT, com o Trabalho. PCdoB, com os Esportes. O PP, de Maluf, com as Cidades. E por aí vai. Para o governo, isso dói bastante, porque significa comprometer parte do programa de governo. Mas, se não quiser abrir mão, vai precisar utilizar mecanismos menos ortodoxos, como mensalidades em troca de votos. Como no Brasil temos 24 partidos na Câmara, sendo que o maior tem apenas 17% das cadeiras, há muito o que se negociar.

Tuesday, December 20, 2016

5 fatos para entender Aleppo

Perdido entre tantas notícias tristes? Entenda de uma vez como a guerra civil na Síria acabou com uma cidade que já foi próspera e matou milhares de civis.


Os ataques à cidade de Aleppo, na Síria, reacenderam a atenção internacional para uma guerra civil que já dura mais de 4 anos. São milhares de pessoas feridas, sem acesso a alimento ou atendimento médico e presas em um cerco que impede a entrada de ajuda humanitária e a divulgação de informações precisas. Para ajudar a entender como tamanha tragédia tomou forma, resumimos o ataque a Aleppo em 5 fatos.

1. Por 4 anos, Aleppo foi uma cidade dividida

Você pode pensar em Aleppo como um microcosmo de toda a guerra civil da Síria. Quando os protestos contra o governo do presidente Bashar Al-Assad explodiram em 2011 e foram moldando os grupos dissidentes que formam a oposição governamental no conflito, Aleppo não ficou de fora.
A cidade era o maior centro urbano da Síria. Além de um hub comercial, Aleppo também tinha arquitetura medieval de uma enorme riqueza histórica e foi eleita Capital Islâmica da Cultura em 2006. Com a guerra, no entanto, sua vocação para Patrimônio da Humanidade chegou ao fim. Aleppo, desde o começo, foi considerada peça-chave no conflito entre rebeldes e tropas do governo – e foi fortemente atacada.
Desde 2012, os dois lados tentavam tomar a cidade, mas não tinham força suficiente. Aleppo passou os últimos anos dividida como Berlim da Guerra Fria, só que sem o muro: o lado oeste sob o controle do governo e o leste tomado por diferentes grupos rebeldes de oposição.
A situação ficou basicamente em ponto-morto até o meio de 2016. Em julho, as forças de Assad, apoiadas por bombardeios aéreos da Rússia, conseguiram estabelecer um cerco na cidade. As tropas do governo tomaram controle da principal estrada da cidade, impedindo a movimentação e limitando os suprimentos das 250 mil pessoas que viviam no lado leste, tomado pelos rebeldes.
Mas os quatro anos de impasse já haviam destruído a próspera Aleppo: quem tinha condições escapou da cidade, deixando-a sem profissionais essenciais à comunidade, como médicos. As regiões históricas foram abandonadas e se transformando em ruínas. Com o cerco e os bombardeios indiscriminados, civis morreram e nenhum dos hospitais continuou funcionando normalmente.

2. Houve um cessar-fogo – que durou só uma semana

Em setembro, a Rússia, que apoia o regime de Assad, e os EUA, que estão do lado da oposição, sentaram para definir um trégua em Aleppo. Só que esqueceram de combinar com os sírios. Enquanto o governo sírio depende diretamente do poder de fogo e do suporte russo, a interferência dos EUA tem sido mais distante. Os americanos também tentaram capitanear um lado que não tem um único interesse. São diversos os grupos anti-Assad. Temos, por exemplo, as tropas do povo curdo, oprimido na Síria. Ou os rebeldes moderados, que têm um relacionamento mais próximo com os EUA. Mas a maior parte é mesmo de grupos islâmicos extremistas, de maioria sunita, apoiados por aliados da Al-Qaeda – ou seja, gente que não quer saber do Tio Sam.
O objetivo do cessar-fogo era permitir o atendimento de feridos e a remoção de civis pela ONU.
Mas não durou nem 10 dias.
No fim de setembro, os bombardeios já tinham sido retomados, com os EUA acusando a Rússia – e a Rússia acusando os rebeldes. A ONU suspendeu as atividades e Aleppo voltou à rotina de Inferno na Terra, chegando a um ápice de 200 ataques aéreos em um só fim de semana.
A partir da trégua destruída, o governo sírio foi para a ofensiva com força total. Invadiu a parte leste e tomou conta de cada vez mais bairros, até dominar mais de 90% da cidade. Os rebeldes, suas famílias e parte da população que morava na parte dissidente da cidade (quase 250 mil pessoas) tiveram que se apertar nas últimas ruínas que restaram.

3. O que sabemos vem das redes sociais (e não é muito)

A ofensiva em Aleppo Leste culminou em 12 de dezembro, quando algumas das forças rebeldes começaram a falar de novo em tréguas – e o desespero de Aleppo chegou ao mundo. Segundo o governo de Assad, os civis não são alvos. Eles teriam liberdade para sair da cidade, mas estariam sendo ameaçados a ficar pelos rebeldes. Os opositores negam.
Segundo a ONU, alguns civis estão sendo executados sumariamente pelas tropas governamentais. Jornalistas internacionais não têm acesso à área para trazer informações – o que se sabe vem dos depoimentos de sírios que estão presos em Aleppo e publicam a tragédia nas redes sociais.
Bana Alabed é uma menina de 7 anos que começou, em outubro, a publicar atualizações sobre a vida em Aleppo no Twitter. Sua mãe, Fatemah, ajudaria Bana a se comunicar em inglês. Em dezembro, seus tweets ficaram mais desesperados e as duas já deram adeus aos seguidores diversas vezes. Uma amiga de Bana teria sido morta em um dos desabamentos, seu pai estaria ferido e suas mensagens transmitem muito medo.
O Twitter recebeu uma onda de vídeos e posts de pessoas em Aleppo dando seu último adeus, em meio às bombas e a acusações de que as tropas de Assad estavam invadindo casas e executando civis.
Outra fonte de informações é o perfil dos White Helmets, um grupo de voluntários sírios que segue atuando no apoio aos feridos e vítimas da tragédia de Aleppo. Segundo eles, as ruas estão cheias de cadáveres e escombros de prédios.

4. EUA, Rússia, Turquia, Irã: todo mundo tem interesse na Síria

Em 15 de dezembro, as forças de Assad e os rebeldes conseguiram travar um acordo para evacuar civis. Os grupos de apoio humanitário foram, com ambulâncias e carros, limpando o caminho de um corredor de mais de 21 km para levar feridos e famílias até cidades vizinhas.
Quase mil pessoas foram resgatadas, segundo a BBC, em grupos de 15 ônibus de cada vez.
Mas o cessar fogo permanece muito frágil: um membro dos White Helmets foi atingido por um sniper enquanto ajudava a isolar o corredor em um dos veículos. Ninguém sabe de que lado veio o tiro.
Enquanto a situação de Aleppo parece se estabilizar, as tensões internacionais que influenciaram a tragédia da cidade permanecem fortes como sempre. Em 13 de dezembro, em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, embaixadores americanos e russos bateram boca. Samantha Power, dos EUA, comparou Aleppo aos genocídios de Ruanda e da Bósnia. Do outro lado, o russo Vitaly Churkin lembrou Powers que os EUA têm um histórico militar peculiar e que ela falava “como se fosse Madre Teresa [de Calcultá]”.
E não são só Rússia e EUA as influências externas na Guerra da Síria. O Irã investe pesado nas tropas de Assad, assim como o grupo extremista Hezbollah, do Líbano. Do lado dos rebeldes, além dos americanos está a Turquia, que tem pontos de divisa com a Síria exatamente na parte leste de Aleppo. Coordenar todas esses interesses, na situação interna já instável da Síria será um desafio geopolítico sem previsão de terminar.

5. Finalmente uma boa notícia? Aleppo está sendo evacuada

O primeiro divisor de águas para Aleppo vai ser a remoção dos civis e de alguns rebeldes que decidirem aceitar a perda da cidade e evacuar a região com suas famílias. A estimativa russa é que 4 mil pessoas deixem o centro, desde que nada atrapalhe o cessar-fogo atual.
Com o avanço das tropas de Assad, o governo terá retomado o controle das quatro maiores cidades da Síria. Mas os rebeldes ainda têm grande penetração nas cidades pequenas, o que indica que o conflito civil ainda está longe de acabar.
Em meio a tudo isso, surge ainda outra ameça fantasma. O Estado Islâmico é um dos grandes interessados nos conflitos da Síria. Desde 2012, o ISIS tem se fortalecido aproveitando o vácuo deixado pelo governo e pelos rebeldes – e já seguiu o rastro de destruição de Aleppo. Aproveitando a distração de todos os lados, os extremistas já fortaleceram sua posição em outra região da Síria, em uma área de deserto chamada Palmyra, por exemplo. O drama da Síria não parece terminar tão cedo.
Atualização em 16/12/2016
A evacuação de Aleppo foi interrompida no dia seguinte, com a Rússia dizendo que quase 10 mil pessoas foram removidas do leste da cidade. A Turquia e a ONU duvidam desses números, afirmando que ainda há dezenas de milhares de pessoas que desejam sair e seguem presas no centro. A comunicação via internet e telefone foi interrompida em Aleppo, impedindo informações mais precisas.
Segundo a mídia governamental da Síria, os rebeldes tentaram contrabandear armas para fora da cidade, motivando a interrupção por parte do exército russo. A OMS, que tem voluntários na área ajudando na evacuação, diz que sua equipe teve que se retirar de Aleppo sem receber explicações.

O que você vai ser quando envelhecer?


Seremos velhinhos silenciosos, sentados em um banco de praça, exercendo o tédio de um dia que passa lentamente?

Entre gostos e desgostos, sonhos e conquistas, um tanto de perdas e um bocado de ganhos, a vida circula com criatividade no intervalo entre o nascimento e a morte.
Entre os caminhos que virão e as rotas já traçadas, estacionamos nossa teimosa esperança de uma vida sem fim e de uma juventude eterna. E assim, envelhecer continua sendo uma das certezas mais difíceis e delicadas para o ser humano.
Enquanto a ação do tempo provoca efeitos no corpo – perda de água, de elasticidade, de firmeza e dos sentidos -, cresce o sentimento, especialmente na nossa cultura, de que a pessoa que envelhece vai perdendo espaço na sociedade.
Infelizmente, esse sentimento se faz realidade, e ainda é comum os olhos da sociedade se voltarem para a velhice com rótulos e estigmas, como demonstra o geriatra José Elias Soares Pinheiro, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).
Ao HuffPost Brasil, Pinheiro disse que os idosos ainda são rotulados como “frágeis”, de “pouca renda”, “portadores de doenças crônicas” e relacionados a perdas.
Em um futuro breve, esse rótulo vai recair sobre a maioria dos brasileiros: em 2030, o Brasil será um país de idosos, segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O presidente da SBGG reforça que o envelhecimento populacional é inquestionável:
“O aumento dos idosos no total populacional é evidente no nosso cotidiano. O homem brasileiro vive em média 74 anos e a mulher brasileira, 77 anos.”
Ainda assim, somos uma sociedade que não reconhece a própria velhice, e contabilizamos, no dia a dia, inúmeras demonstrações de desrespeito. Filas e lugares prioritários são ignorados; a segurança financeira após a aposentadoria parece um desejo ingênuo; a falta de paciência impera nos espaços de convivência.
“A velhice tende a ser desvalorizada e renegada à invisibilidade”, lamenta a psicanalista e doutora em Saúde Coletiva pela Unifesp Natália Alves Barbieri, que coordena grupos de estudo e de supervisão sobre a clínica do envelhecimento.
“Um dos fatores que marca esse momento é a saída do universo do trabalho. Aposentar significa, entre outras coisas, retirar-se aos aposentos. A fragilidade não é uma condição apenas da velhice, mas do humano, e tende a se intensificar com o avançar da idade. Mas a fragilidade não precisa significar isolamento, limite, sofrimento. É preciso tomar cuidado para não opor fragilidade e atividade. É possível ser ativo e frágil.”
Apesar de ser uma certeza, o envelhecimento não é um processo fácil. “A ‘entrada’ na velhice pode ser vivida como uma crise em que o sujeito leva um susto diante da percepção de sua finitude”, explica Barbieri. Nessa crise, uma pessoa pode repensar a própria vida ou se fechar por achar que já viveu e não há mais possibilidade de mudança.
“Muitas pessoas, nesse sentido, podem viver o envelhecimento de forma traumática, mais ou menos sofrida, sendo necessário algum acompanhamento. Mas outras podem se abrir para novas experiências. A existência de espaços coletivos para se compartilhar a experiência de envelhecer é fundamental.”
Socialmente falando, falta “criarmos uma cultura da longevidade que ofereça um imaginário com várias possibilidades de velhices, para que as pessoas possam buscar referências que mais lhe caibam”, destaca a psicanalista.
Para começar a expandir esse imaginário, poderíamos fazer esta pergunta: quem seremos quando o futuro tiver chegado para cada um de nós? Seremos velhinhos silenciosos, sentados em um banco de praça, exercendo o tédio de um dia que passa lentamente?
É essa a velhice que enxergamos no intelectual Noam Chomsky, na cantora Elza Soares, no historiador Boris Fausto, no músico Mick Jagger, nos atores Fernanda Montenegro e Carlos Vereza, na romancista Lygia Fagundes Telles e no escritor Luís Fernando Veríssimo? Em nossos avôs e avós?
Com o avanço da longevidade e o crescimento da população acima de 60 anos, os estigmas em torno da velhice precisam desaparecer, adverte Pinheiro:
“Hoje, ser idoso não é mais sinônimo de incapacidade, tristeza ou ser ultrapassado; pelo contrário, o idoso está cada vez mais familiarizado com tecnologias, inserido no mercado de trabalho e em atividades cotidianas, de lazer, culturais, intelectuais, educacionais e físicas. A velhice não pode ser enxergada como ‘fim de vida’, porque essa finitude do ser humano não se restringe a essa faixa etária. Todos estamos sujeitos a ela.”
Segundo o geriatra, a falta de planejamento para idosos no Brasil é muito clara. O argumento de que somos um país em desenvolvimento não justifica retardarmos medidas necessárias para podermos usufruir essa conquista da espécie humana. Pra ele, o que pode tornar o processo de envelhecimento menos preocupante em nosso país é uma mudança de cultura.
“É fundamental garantir um processo de envelhecimento ativo, ou seja, inserir a pessoa idosa nas atividades comuns da família, incentivá-la a realizar atividade física e mental apropriada, como caminhadas, leitura, estudos em geral. É imprescindível fazer que o idoso não se sinta um peso, mas se sinta querido, se sinta fazendo parte da família, independente das diferenças cronológicas.”
Depressão e tristeza
Na vida privada, o estigma da velhice é demonstrado no isolamento, no abandono e na negligência de algumas famílias. Nesse contexto, problemas emocionais como a depressão aparecem e acabam não sendo reconhecidos. Com frequência, o silêncio de um idoso ou um sofrimento são tratados como algo “típico da idade”. É um comentário comum, mas que pode ser muito perigoso, ressalta Barbieri:
“Essa é uma resposta que remete a uma ‘normalidade típica da idade’, como se não tivesse efeitos para o sujeito. Essa ideia presente no senso comum contribui para que idosos se isolem cada vez mais. Tristeza, sofrimento ou depressão demandam atenção, acompanhamento, escuta e, em certos casos, tratamento.”
Além das situações de abandono, a morte de amigos e parentes também provoca muita tristeza. Com um agravante: os rituais de simbolização das perdas estão cada vez mais acelerados.
“Perder é uma das coisas mais difíceis para o ser humano. Os rituais que envolvem a morte, como velório, enterro, cerimoniais, entre outros rituais, servem como momentos coletivos para se lidar com essas situações. Cada vez mais esses rituais tendem a ser retirados ou cumpridos apenas como pro forma, tendo que acabar o mais rápido possível. A morte é hoje um grande tabu.”
De acordo com a psicinalista, é preciso respeitar a dor de quem perde e o processo de luto. Porém, é preciso atenção para que esta tristeza possa se transformar em outra coisa com o passar do tempo.
“Se a pessoa entrar num processo de fechamento de mundo, num quadro depressivo que afete seu cotidiano após um tempo razoável depois da perda, talvez seja necessária alguma intervenção, pois não é normal ficar triste na velhice sem que se faça nada a respeito.”

                                                    TAKE A LOOK AT THIS IMPERMISSIBLE ITEMS YOU WILL NOT BELIEVE                  ...